TÍTULOS E PARTICIPANTES
 
1  . PARTIR - Gui Oliva
2  . PARTIR? - Tere Penhabe
3  . PARTIR - Margaret Pelicano
4  . A PARTIDA - Guida Linhares
5  . PARTIR É CHEGAR - Inês Marucci
6  . CHEGOU E PARTIU... - Eme Paiva
7  . PARTIDAS E CHEGADAS! - Rosângela do Valle Dias
8  . A EMOÇÃO DA CHEGADA - Walter Pereira Pimentel
9  . ESTOU PARTINDO - Sonia R.
10. PARTIR - Cel ( Cecília Carvalho)
11. PARTIR - Manuel Jorge Monteiro de Lima  
12. PARTIDA - Marise Ribeiro
13. QUEM INVENTOU A PARTIDA - Maria Lucia Victor
14. PARTIR - Carmo Vasconcelos
15. PARTIR, DIZER ADEUS - Cecília Rodrigues
16. A TUA PARTIDA - Raquel Caminha Matos (Lindinha)
17. POETAS INFINITAMENTE BRILHANTES- Vera Mussi.
18. DESENCONTR...ÂNSIAS - Luiz Poeta
19. É TEMPO DE PARTIR - Eugénio de Sá

 

 

 
 

 
Partir
 Gui Oliva 

Partir é conjugação do relativo,
se for consultar o dicionário
vai-se constatar...verbo transitivo,
mas não estanca aí seu ideário.

Pode ser conjugado intransitivo,
 por-se na estrada de qualquer jeito
desviar do caminho impositivo,
repartir a dor do que foi feito.

Partir é um ausentar-se pensativo,
evitando quebrar-se em despedida,
 quando ele parte para ser reflexivo,
a distribuir-se no curso de uma vida.

Assim conjugado tão completo,
despedaça o verso e, em seu reverso,
consuma a substância da partida, 

 sem abalar-se com o errado ou o correto
substantiva ele, então, o adverso,
dividindo o adeus n´alma repartida.

Santos/SP  23/06/07


Partir?
 Tere Penhabe

Vamos deixar de lado o dicionário
pensar em partir, seu resultado
nem sempre feliz, nem sempre agradável
mas quando acontece... inevitável!

Partimos tantas vezes nessa vida...
dos amigos, escolas, nossa rua preferida
...da minha casinha branca tão querida!
É sempre tão triste, qualquer despedida...

E partimos, aqui e ali, sempre partindo
levando saudade, deixando também
que sempre deixamos pelo menos alguém
que sente a nossa falta, nos quer bem...

E de repente partir... ainda é verbo
mas intransitivo, porquanto necessário
partimos e ponto. Porque a hora chegou
tão simples e tão doído, se for o fim de um amor...

Santos, 23.06.2007
www.amoremversoeprosa.com
 
 
 
PARTIR
 
Margaret Pelicano
 
E de repente partiu para não mais voltar!
Deixou uma lacuna, um vazio, um lugar,
onde nada consegue ficar, nem um outro amor!
Ficou ali, uma plantinha ressequida, dor...
 
Partiu, e trincou meu coração,
tão isolado, cuja música é só tristeza,
 um trono sem realeza, um rio sem correnteza,
lento, cansado, quase parando!
 
Estacas ferindo o peito como vampiros
apaixonados; e a voz saia soluçando, sem sentido,
 a alma penando, trôpega como bêbado
 
que ao cair da noite, sabe que pode vir a lucidez!
E aí sim, o cérebro reclama a sensatez,
 e vem outro dia, onde a fortaleza assim se fez!
 
Brasília - 23/06/2007
 
 
 
 
 A PARTIDA
 
Guida Linhares
 
E lá vou eu, no meio destas árvores,
passo a passo. Uma sombra me acompanha...
a sombra de mim mesma,
de tudo que fui enquanto aqui estive!
 
Olho para a frente e vejo o horizonte.
Uma linha brilhante em que meu olhar se perde,
e nele o tempo mostra tantas coisas,
vividas com toda a plenitude!
 
Olho para cima e vejo o azul do céu.
Ah! como é maravilhoso se perder na imensidão
e sentir que a vida não foi passada em  brancas nuvens!
Amanheci e anoiteci sempre com muito amor.
 
Porisso não temo a minha sombra.
Ela é de mim a dualidade que conheci
e que me fez trafegar por esquinas e paralelas,
sorvendo o gosto de cada pedaçinho de chão.
 
Deixo aqui meus tesouros valiosos,
aqueles a quem amei e me entreguei
de corpo e alma, moldando na argila
a bondade, a alegria e a tolerância na vida.
 
Missão cumprida, uma força me chama,
e nela me embrenho com humildade e fé.
Tive filhos, plantei árvores, cultivei flores.
Vou feliz... escrevi versos e morri por amores.
 
Santos/SP - 25/06/07
 
 
 
 
PARTIR  É  CHEGAR
 
Inês Marucci
 
Partidas são as reticências que o futuro abre
para colorir o cotidiano esquecido do orvalho,
com a imprevista aquarela dos sóis do oriente,
para o espanto de quem dormitando estava!
 
Partir é chegar alhures, ao altar multifulgente,
ante o amanhecer dourado que na alma entra,
para camuflar em fios de perfume a hostilidade
dos metais fortes sombreando tantos sonhos!
 
A alma estagnada que não parte jamais chega
ao cais de velas inchadas que quimeras sopra,
pouco tem o que colher de um plantio restrito, 
porquanto não arrojou, não sonhou, não obrou!
 
De uma praia juncada de fartas ondas viajeiras
inventai vossos rumos, invertendo idas e vindas,
crendo sempre exultantes que adentrar portais
é ser vulnerado por divinos atalaias guardiães!
 
São Paulo - 25.06.2007
 
 
 
CHEGOU E PARTIU...
 
Eme Paiva
 
Chegou e dividiu comigo
tudo o que a vida lhe concedeu!...
Tudo o que viveu e
toda experiência obtida!...
 
Marcou em meu coração
a simplicidade com que se deu...
a intensidade com que viveu,
como se antes,
já soubesse da prematura partida!
 
Ainda o vejo neste caminho
Indo... partindo
sem tempo de dizer adeus!...
Indo para não regressar,
ao nosso lar,
seu abrigo!
 
Então, as vezes penso comigo,
se ao partir ele terá levado
a plena convicção de ser tão amado?...
 
Se fazia idéia do quanto doeria em mim,
vê-lo partir assim:
tão irremediavelmente calado!?...
 
26.06.07
 
 
 
PARTIDAS... CHEGADAS!
Rosângela do Valle Dias

Num caminho de curvas constantes,
um olhar triste em busca de outro olhar.
Nele,  meus passos ignoram as lágrimas!
Ah! Pranto soluçante de saudade!
Meu amor, diga-me,  nesse instante, 
que entre todos os amores  passantes,
sou aquela que vai nos seus braços,
esquecer aquele caminho distante,
reviver a luz e a esperança!
Sei que canto um amor profundo,
envolta num sonho, enquanto o mundo
segue sorrindo,  além do encanto. 
Não quero amá-lo e o amo com loucura.
Tento esquecê-lo e o mantenho na lembrança.
Ah! Quem me livra deste mal sem cura
que tanto me enlouquece e tortura!
Meu amor, chega de procura e
de partidas ...
Sou a sua última chegada.
Abra os braços e receba o calor
de quem tanto quer doar amor!
 
BH/MG
Reeditada em 26.06.2007
 

 
 
 
   A EMOÇÃO DA CHEGADA

 

Walter Pereira Pimentel

 

 Almas extasiadas, alegria renovada

Bocas que se beijam

Mãos que se agitam, olhos que festejam

É assim a emoção da chegada

 

O retorno de quem se ama!

Um momento na vida da gente

Um presente

Que o coração quer e reclama

 

Ah! Quem me dera

Fosse a vida uma eterna chegada

Uma doce e encantada primavera

Onde, livres dos espinhos da saudade

 

Os corações desabrochassem em felicidade

Em êxtases para amante e amada!

Chegada, um momento para reencontrar, reviver

E comemorar, uma nova chama no coração acender!

 

 

 

ESTOU PARTINDO!...

Sonia R.
 
 
talvez seja Pasárgada
o destino dos passos meus
talvez na próxima alvorada
um mosaico no arrebol
surgirá dos cacos
da noite que rompeu!
      estou partindo!...
  sem rimas para uma poesia,
   sem bagagem de ilusões,
   sem sequer a vontade
      de dizer adeus...
 
rpo/sp - 27.06.07
 
 
 
 
PARTIR
 
Cel (Cecília Carvalho)
 
... é assim que me vejo,
caminhando lenta com o tempo
e sozinha ...
 
ao meu redor, uma tristeza imensa,
como se meu mundo fosse feito
de árvores desfolhadas
pelo tempo ...
 
 no meu coração, um vazio
 solidão de quem já não se importa
de estar só, pois já não sonha mais ...
 
 
*** Labitintos da Alma ***
Ilhéus - Bahia 25.06.2007
 

PARTIR
Manuel Jorge Monteiro de Lima

Eles partiram, e eu fiquei chorando,
A seu lado, nunca estava isolado,
Todavia, isso é letra do passado,
As lágrimas, são saudades derramando.
 
Foi-se a primavera, o verão, hoje é outono,
E se os momentos que ainda estão por vir,
Que venha o inverno, só depois eu vou partir,
Visto alegria, como os sonhos do meu sono.

 Alphaville
Junho de 2007
 

PARTIDA

 

Marise Ribeiro

 

Não sei se é só um sonho,

mas me vejo contigo

caminhando de mãos dadas

na direção do nada.

O caminho é longo e medonho...

O vento traz uma névoa

que encobre a estrada,

dando-me uma sensação de desabrigo...

Minha mão se encontra desamparada,

perdida da tua...

O vazio se acentua...

Não há chegada nem acolhida...

... só partida.

 

27/06/07

www.mariseribeiro.com

 

 
                              

QUEM INVENTOU A PARTIDA

Maria Lucia Victor

 

Quem inventou a partida

foi o autor dos desencontros,

do que poderia ter sido,

dos risos no tempo perdidos,

dos sonhos que partem sem aviso.

 

Quem inventou a partida

sabia partir a vida,

afastar o que não podia,

fazer morrer na despedida

alegrias outrora sentidas

como flores de emoção.

 

Quem inventou a partida

desconhecia uma dor,

a maior que se conhece

e na qual tudo arrefece:

a perda de um grande amor.

 

Quem inventou a partida

foi o dono do sofrimento,

das súplicas sem solução,

das preces ditas em vão,

das tristes lágrimas perdidas

nas dobras do coração.

 

Pudesse voltar atrás,

recuperar o passado,

anularia as partidas

e faria apenas do encontro

meu porto de muitas chegadas

onde florescem sorrisos

no rosto do meu amado.

 

 

PARTIR

Carmo Vasconcelos

  

Julguei encaminhar-me

para um Porto de Desejos...

Viris

os contornos estavam lá...

 

Rompi o nevoeiro

e atraquei

levando comigo

sofreguidão de beijos

 

Viris

os contornos avistados

esfumaram-se

varridos pela língua das marés

que os não deixaram ser

 

Gelei na boca o beijo

petrifiquei abraços

e rumei

em busca de outro cais

 

 

Partir, dizer adeus...
Cecília Rodrigues

Nas tardes da vida alegre e festiva
Não há lugar para a despedida,
Vou onde for, e tu também vais...
Lugar para partida, não há neste cais;

Só lugar do aceno, da feliz chegada,
Não quero lembrar, daquela madrugada
Em que partiste e um beijo me deixaste;
E a minha lágrima, tu não enxugaste...

No meu rio de poemas não pode existir...
Não, não pode habitar o verbo partir.
Apenas, no presente do verbo ficar...

Eu fico...tu ficas...eu quero conjugar!
Partir, dizer adeus...jamais eu direi...
Sei que um dia terá que ser...eu sei...

Junho  2007

 

 

 

A TUA PARTIDA

 

Raquel Caminha Matos

(Lindinha)

 

A tua partida foi cruel demais, sofri, senti dor.

Fiquei com minhas mãos algemadas, meu coração ferido,

olhando você passo a passo se afastando, que horror!

Um filme passou na minha mente e recordei de tudo querido.

 

Muitas tardes eu fiquei a te esperar na beira do cais.

Há muito trazia esse amor dentro do meu peito,

e sem me lamentar, sofria calada os meus ais.

Queimava por dentro feito brasa, não tinha outro jeito.

 

Sentada na beira do cais, esperava com ansiedade,

os sinais luminosos, foi a nossa combinação,

mediante sua aproximação, mas não foi verdade,

mais uma vez foi iludido o meu coração.

 

Assim fiquei por muito tempo com pensamentos banais,

a procura de nós, cheia de amor relembrando nosso prazer.

A única força era a esperança que ao sentar na beira do cais,

eu enxergaria o sinal luminoso e acabaria meu sofrer.

 

Hoje me sento aqui nesse cais, meus olhos navegam no mar azul,

derramando lágrimas de saudades, escuto as aves soluçando

comigo, enquanto ansiosa olho para o Norte e Sul.

Mas não perco a esperança, cantarei a nossa canção te esperando.

 

“Enquanto espero acontecer

Enquanto espero ver o cais,

vou derramando sem querer, a febre dos meus ais”

 

(Esse poema foi baseado na música que amo de paixão.

Enquanto Espero - João Bosco. Não é plágio)

 

 

 

Poetas infinitamente brilhantes !
Meu aplauso sonorizado ...
 
Partir é um ausentar-se pensativo,
evitando quebrar-se em despedida,
 quando ele parte para ser  reflexivo,
a distribuir-se no curso de uma vida.
Gui
 
Não canso de ler estes versos que falam alto ...
 
E de repente partir... ainda é verbo
mas intransitivo, porquanto necessário
partimos e ponto. Porque a hora chegou
tão simples e tão doído, se for o fim de um amor...
Tere
Traduzem tantos sentimentos
 
que ao cair da noite, sabe que pode vir a lucidez!
E aí sim, o cérebro reclama a sensatez,
 e vem outro dia, onde a fortaleza assim se fez!
MEG
Tantas vivências semelhantes às minhas
Quanta evidência ...
 
Missão cumprida, uma força me chama,
e nela me embrenho com humildade e fé.
Tive filhos, plantei árvores, cultivei flores.
Vou feliz...escrevi versos e morri por amores.
Guida
 
Isto sim é poesia !!
 
Partidas são as reticências que o futuro abre
para colorir o cotidiano esquecido do orvalho,
com a imprevista aquarela dos sóis do oriente,
para o espanto de quem dormitando estava!
Inês
 
Beijos
Vera Mussi

 

 

DESENCONTR...ÂNSIAS 

Luiz Poeta

 

 

- Luiz Gilberto de Barros - 

 

 Quanto mais te prendo, sinto que te soltas 

Não me surpreendo, meu amor é tanto 

Que quando te abraço, todo o meu encanto 

Se dissolve em pranto vendo que não voltas. 

  

 Ah... quando te soltas, é tão de repente, 

Meu peito só sente quando não te vejo;

Tento em vão sonhar-te, mas o meu desejo

Se desfaz num beijo  que o teu ser nem sente.

  

 Tão inconseqüente, meu amor reclama, 

Sempre há uma chama a queimar meu peito... 

Tento não te amar, mas amo, não tem jeito

 Nosso amor desfeito é um eterno drama. 

 

 Fecho os olhos, sonho, tenho pesadelos, 

Estou tão tristonho sem tua presença

Mas sempre te encontro quando a dor intensa,

Longe dos teus olhos, me permite vê-los.

 

 Quando eu te perco, estou me procurando;

Quando me encontro, sinto que te perco

A saudade chega e sempre aperta o cerco

Mas eu só me perco quando estou te amando.

 

 

 

 

É tempo de partir

Eugénio de Sá

  

É tempo de partir, sem mais hesitações

Sem destino? - Que importa! - Mas partir

É ingente assumir as decisões

Pois a alguém, mais que a nós, há de convir.

 

Partir, partir, mesmo sem rumo certo

Rangendo os dentes, fazendo por sorrir

Mesmo comendo o pó d’outro qualquer deserto

Se isso importante for p’ra nos unir.

 

Temos de reunir os cacos que ficaram

De nós próprios depois de esmigalhada

Dignidade e amor que nos tomaram

Pois só restou de nós um quase nada.

 

Depois, o sofrimento redentor

Virá juntar-se à velha solidão

E calará em nós o vão clamor

Quando à boca nos chega o coração.

 

 Brasil

   Julho de 2007

 

 

 Arte Imagem Tere Penhabe

Som: The way we were 

Sax de Kenny G.

 

Índice Principal

Índice

Próximo