POEMA A SANTOS
Nilo Entholzer Ferreira


Amanheceu. . . A praia se ilumina

Foge a neblina, em busca do alto mar

E vão surgindo assim, alvissareiras

garças brejeiras, faiscando no ar...


Ao longe surge, ensolarada e bela,

na passarela, o dorso seminu,

Ilha das Palmas, como caravela

voltando a proa à Ponta do ltaipu. . .


O sol se esbate sobre teus encantos,

Santos, menina envolta em seus jardins

de tantas flores e sorrisos tantos,

recantos, vãos de aléias e jasmins. . .


Santos de sol, de sal, de azuis e alpacas

barracas mil, de coloridos tais

que mais parecem restos de ressacas

fantasiadas de cartões postais


Santos, criança feita de cirandas,

de velas pandas, eis que então se veste,

nas tardes frias, de garoas brandas,

ou nas manhãs, de vento noroeste! . . .


A imensidão das tuas avenidas,

Rasgando o chão , que vai da praia ao cais,

faz recordar as doces despedidas

de amores, sei, que já nem voltam mais...


Quero-te assim. Na minha inquietude,

quero-te, Santos, plena de meiguice.

Foste o farol da minha juventude!

Sonhas enfim, meus sonhos de velhice. . . .


música - Santos Poema dos irmãos Bruno e Ernesto Zwarg
Canta: Roberto Luna Filho

http://www.zwarg.com.br/musica2.html



 

 

Índice

Índice Principal

Próxima

®Direitos Autorais-Gui Oliva